A Black Friday é o novo Natal do Varejo?

Originada nos Estados Unidos, a Black Friday sempre prometeu trazer descontos realmente significativos para liquidar estoques e abrir espaço para novos produtos e novas coleções. No Brasil, após um longo período de adaptação tanto para varejistas quanto para consumidores, hoje a Black Friday já representa grande relevância na cultura do consumo nacional.

Essa importância é corroborada por pesquisa da GfK e Vivo ADS, mostrando que quase 70% dos consumidores planejam fazer compras na Black Friday. Ainda mais importante, a pesquisa revela que tanto a Black Friday quanto as liquidações de Janeiro continuam tirando o protagonismo do Natal como a grande data do varejo.

Analisando-se o trimestre Novembro-Dezembro-Janeiro, observa-se atualmente um grande equilíbrio nas vendas de final de ano. Nesse período de análise, nos itens de maior valor (eletrônicos, eletrodomésticos, celulares e informática), a Black Friday representa 38% das vendas, contra 29% do Natal, e 33% dos saldões de Janeiro.

Isso reforça a ideia de muitos varejistas de que os consumidores antecipam as compras de Natal na Black Friday, reduzindo faturamento e margens totais do ano. Essa é a principal motivação para um movimento de varejistas que pleiteia a antecipação da data de descontos.

Mas o fato é que a Black Friday já é presença obrigatória na cultura do varejo brasileiro. Não há mais como ficar de fora, visto que os concorrentes farão descontos, muitas vezes criando uma guerra de preços. O grande dilema passa a ser como aproveitar a data ao máximo, sem sacrificar as margens das vendas de final de ano.

O que as empresas mais preparadas estão fazendo é não brigar com a Black Friday, mas sim entender seu papel na realidade do varejo, e considerá-la em seus planejamentos de compras e produção. Prever a demanda neste período, os descontos a serem dados, os produtos que serão promocionados, e definir com antecedência a estratégia que será utilizada na Black Friday. Tudo isso se torna essencial para garantir as margens de lucro desejadas, e manter os estoques em níveis saudáveis.

A palavra chave, portanto, é Planejamento. Não há mais espaço para entrar na nova grande data do ano sem um plano bem definido.